Como ensinar seu filho a ser empático sem dar lição

Estes dias sobrou pra mim cuidar da Nara e de dois amiguinhos novos que acabamos de conhecer na cidade pra qual nos mudamos recentemente. Enquanto os pais tomavam uma cerveja e batiam papo no bar da praça, eu fui até o parquinho infantil para acompanhar as crianças. Depois de uma hora e tanto sentada, com a temperatura perto dos 5 graus, já louca pra voltar pro mundo dos adultos, me dei por vencida.

– Meninos, voltamos pro bar? Tô morrendo de frio e vocês já se divertiram bastante!

– Não!

Obviamente, meu apelo não tocou o coração deles. Minha primeira reação foi pensar que não estavam sendo empáticos nem justos comigo. Mas, claro, por que deveriam cortar a brincadeira? Enquanto eu passava frio, eles subiam e desciam nos brinquedos, não paravam de se mexer e se divertir, estavam tendo um momento delicioso.

Empatia-aos-filhos Como ensinar seu filho a ser empático sem dar liçãoÉ muito fácil cair no erro de me irritar nessas situações. Posso entrar numas de que tenho que aproveitar a deixa para ensinar a Nara que ela tem que ser mais empática. No entanto, tenho feito diferente: em vez de exigir, ofereço. Quero que minha filha seja empática comigo? Preciso ser empática com ela. Respirei fundo e retomei.

– Vocês estão se divertindo muito, não é?

– Sim!

– Claro, brincar no parque é muito divertido! Eu também me lembro como era gostoso, nunca queria ir embora do parque quando era pequena. Quantas vezes mais vocês querem subir e descer na gangorra antes da gente voltar pro bar?

– 3! – disse a Nara, que no auge dos seus quase 3 anos mal sabe contar.

– 5! – sugeriu a garota.

– 10! – ousou o menino (os dois têm 5 anos).

– Legal! Balançamos 10 vezes mais e vamos ao bar?

– Tá bom!

E foi simples assim, eu quase não acreditei. Comecei a contar e pedi ajuda, quando chegamos ao 10 fiz uma pequena festa e convidei os três a correrem até o bar. Saíram felizes!

Não entrei numas de fazer discurso, insistir, apelar pra razão, pedir que entendessem meu lado. Tem vezes que até dá certo, a Nara se convence e colabora de boa. Mas e quando ela bate o pé e se recusa a fazer o que quero? Se eu insisto impondo minha ideia, o mais provável é que ela continue a se negar e eu acabe apelando pro sermão ou talvez implorando e em seguida ficando nervosa. Ela pode até aceitar, mas sai visivelmente contrariada e mais distante de mim.

Empatia-aos-filhos Como ensinar seu filho a ser empático sem dar lição
Antes de tentar convencer seu filho que vocês precisam ir embora, CONECTE com seu momento, entenda o quanto ele tem motivos para querer ficar no parque e valide o que ele sente.

No entanto, é muito mais fácil CONECTAR COM A CRIANÇA do que tentar empurrar nossa regra para ela. Se entendemos que ela tem uma razão para oferecer resistência, se não a julgamos e não tentamos anular seus motivos, se validamos o que sente, conectamos com o que está vivendo, mostramos que a compreendemos, é muito mais provável que ela colabore. E ao permitir que nossos filhos participem da decisão de ir embora, eles se sentem respeitados e considerados. Não é assim que gostaríamos de ser tratados?

🌷🌷🌷

Antes de explicar ao seu filho que ele precisa ir pra casa porque vocês têm que jantar, experimente se aproximar e conectar com o momento que ele está vivendo. Coloque-se no lugar dele e valide a situação: “Nossa, está muito gostoso descer no escorregador, não é? É uma sensação maravilhosa. Já imaginou se pudéssemos ficar aqui a tarde toda? Vir pro parquinho é o melhor momento do dia. Você gosta de vir ao parquinho? Claro que sim, o parquinho é mesmo incrível… Hummm. Você está com fome? Como está seu estômago? O que acha de irmos pra casa? Quantas vezes quer descer no escorregador antes de irmos embora?”

🌷🌷🌷

Aqui tenho focado muito mais na validação do que nas explicações do porque não se pode isso ou aquilo, porque está na hora de fazer não sei o que. Quando foco na validação, sinto que minha filha se abre e se conecta e é mais fácil que ela solte a questão. É diferente de ceder ou de resolver o problema, eu simplesmente aceito que ela esteja incomodada com a realidade e confirmo que sei o que está sentindo e o quanto é difícil para ela aceitar que as coisas não estão saindo como ela gostaria. Nem falo dos sentimentos dela, simplesmente digo coisas como: “você queria muito continuar no parque e agora temos que ir embora, né? Eu sei, você preferia ficar aqui, afinal é muito divertido passar tempo no parque!”. Em outro post posso contar porque evito nomear os sentimentos dela.

🌻🌻🌻

Mas e quanto a ensinar nossos filhos a serem empáticos? Será que eles entenderam a lição com esta experiência do parque?

Ultimamente tenho refletido sobre isso: precisamos mesmo ensinar nossos filhos a serem empáticos, a respeitarem os outros, a serem isso ou aquilo que acreditamos ser o melhor para eles? Ou podemos confiar que sendo o que queremos que se tornem estaremos inspirando eles?

Acredito que o mais importante é ser exemplo e confiar que nossos filhos vão se inspirar em nós. Em vez de querer que a Nara aprendesse a ser empática comigo na saída do parque, usei a situação para exercitar minha capacidade de ser empática. Quando percebi que comecei a julgá-la, tomei a decisão consciente de não me deixar levar por este beco sem saída e optei por ser quem eu gostaria que ela fosse. O tempo vai me dizer se isso vai refletir na educação dela, mas eu acredito que sim.

🌸🌸🌸

Empatia-aos-filhos Como ensinar seu filho a ser empático sem dar lição Você se pergunta se existe uma forma mais leve, tranquila e harmônica de criar seus filhos sem autoritarismo nem permissividade? Você sente dificuldade de educar seus filhos sem gritos, castigos, humilhações e palmadas? Você se sente frustrada porque seu filho não te obedece, muitas vezes te ignora e você não consegue ser uma mãe tão amorosa e acolhedora quanto gostaria?

Inscreva-se no Programa Online de Disciplina Positiva, da Carolinie Figueiredo, que está com vagas abertas para a nova turma. Ele é um curso digital que vai te ensinar ferramentas da Disciplina Positiva para te ajudar a construir um vínculo mais harmônico e forte com seus filhos. Clique aqui para conhecer o programa.

Se tiver alguma dúvida, me mande um whatsapp.

🌸🌸🌸

Se você gostou deste texto, me ajude a divulgá-lo.

💙 Compartilhe com outras mães ou em suas redes sociais e assim difundimos esta mensagem para mais gente. 💙

🌺🌺🌺

Quer receber mais conteúdo gratuito sobre temas desafiantes da maternidade? Assine minha newsletter!

Receba conteúdo gratuito

Junte-se a outras mães que também estão em busca de conhecer e compreender melhor a si mesmas para se tornarem mães mais presentes e conectadas com seus filhos. Cadastre seu e-mail abaixo gratuitamente.

Posts Relacionados

Faça um comentário